LI, VI, OUVI, ESCREVI

A HISTÓRIA DO HOMEM QUE SOFRE UMA DOENÇA RARA E VIVE COBERTO DE RUGAS ESCURAS

A fotografia do Papa Francisco abraçando um senhor que tinha um aspecto cheio de rugas na Praça de São Pedro correu o mundo. Há dias que eu procuro saber quem é ele. O jornal Corriere della Sera já o havia encontrado, mas nesta segunda-feira, 18 de novembro, o site Vatican Insider contou a comovente historia dele. Leia.

“O Papa me abraçou: era como estar no céu”

Fala Vinicio Riva, o homem desfigurado por uma doença rara que Francisco conheceu na Praça de São Pedro para a festa UNITALSI

Mauro Plant

Vatican Insider

O corpo continua a ser marcado pelas grandes rugas escuras que provocam dor, coceira e feridas. Mas alguma coisa, no dia 8 de novembro, mudou na alma de Vinicio Riva, de 53 anos, que sofre de uma doença rara, a neurofibromatose de tipo 1. Naquele dia, o Papa, em uma praça de São Pedro lotada para o 110 º aniversário da UNITALSI, abraçou-o. Sem se desviar, abraçando-o, beijando-o.

As imagens que circularam ao redor do mundo. “Eu me senti como o céu”, disse Vinicio em uma entrevista por telefone ao Corriere della Sera. “Meu coração explodiu e a noite eu não conseguia dormir”. “A minha doença não é contagiosa – disse durante uma entrevista à revista Panorama – mas ele não sabia. Ele só fez isso: me acariciava por todo o rosto, e com o que ele fez eu só senti só o amor. Durou pouco mais de um minuto, mas para mim pareceu uma eternidade”.

A vida de Vinicio nunca foi fácil. Na Ilha Vicentina, onde vive em um pequeno apartamento cedido pela prefeitura da cidade, todo mundo o conhece. Eles sabem que a mãe dele, que morreu de câncer, afetada pela mesma síndrome, em seguida, transmitida para os seus filhos. Todo mundo sabe que o pai dele não tinha tempo para os seus dois filhos meio “feios”. As pessoas ficaram sabendo de todas as operações que Vinicio teve que sofrer a partir da idade de dois anos. Sua existência decorre entre um trabalho socialmente útil no instituto Bresson (ele empilha caixas e as coloca em ordem) e faz caminhadas curtas pelas ruas com uma bicicleta elétrica (vai até banca de jornal e volta ) e do envolvimento de carinho que tem com a tia Catherine que lava as feridas, coloca cremes, nem todos pagos pelas autoridades sanitárias locais, e também o ajuda em pequenas tarefas. E o cheque de 500 euros por mês para 100% de incapacidade para compartilhar com sua irmã Morena, no início da doença, não permite que certos luxos.

“Eu tive minha cabeça no peito dele – disse ele – seus braços em volta de mim. E ele me segurou com força, como carinho , não soltava mais. Eu tentei falar, para dizer alguma coisa, mas não consegui: a emoção era muito forte” . Aqueles “gnocchi” no rosto, como ele ironicamente chama, permanecem. E aquele abraço ninguém pode tirar dele.

www.vaticaninsider.lastampa.it

Fotos: Chris Warde-Jones/Mailonline

——————————————————————————————————–

Uma história com muitos detalhes e mais completa você pode ler em inglês. coloque o seguinte endereço em seu navegador:

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2509678/I-felt-heart-leaving-body-Terribly-disfigured-man-held-Pope-relives-moment-moved-world.html

Rafael Vieira, 18.11.2013