ESPECIAL
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

FOGO CRIATIVO

Surpresas que saem do forno

Regina L. Diniz, Revista Vida Simples, Editora Abril

A incerteza não é algo ruim, como muita gente pensa. E, se sentida com inteireza, leva a um outro extremo, a suave aceitação de que não podemos dar conta de entender e controlar tudo. Foi essa sensação que envolveu minha visita ao ateliê de cerâmica de Suenaga e Jardineiro, um dos muitos ateliês espalhados pela cidade paulista de Cunha, encravada entre a Serra da Bocaina, a Serra do Mar e o mar de Paraty. Cheguei na hora em que se abria o forno para a retirada das peças já queimadas. E me espantei ao ver que compartilhava com o artesão, Gilberto Jardineiro, a surpresa de deparar com a beleza das peças de utensílio, esculturas e painéis. É que nem mesmo ele e a mulher, Kimiko Suenaga, que moldam e pintam o barro, sabem que consistência e cores as peças vão ganhar depois de expostas à circulação das chamas e da cinzas da lenha que alimenta o forno noborigama, técnica japonesa de construção em que os fornos são conjugados em degraus ascendentes. De certo, mesmo, só que nenhuma peça seria igual à outra.