MEUS LIVROS

ABRIR OS OLHOS: AMPLIAR A VISÃO DA PRÓPRIA VIDA

Livro: “Olho nu – Transformações para uma vida melhor nascem da mudança no jeito de ver as coisas

Rafael Vieira, 2010

ABRIR OS OLHOS

Os nossos olhos têm condições específicas e é preciso conhecê-las bem para avaliar a abertura deles. Condição é a plataforma sobre a qual se constroem as atitudes e ações de uma pessoa. Eu só faço o que tenho condições de fazer. Minhas forças, minhas habilidades, meu conhecimento, minha resistência, o lugar onde me encontro e a base material e espiritual da minha vida são algumas características das condições que me sustentam. Não posso querer ir além delas e nem me conformar em agir aquém dessas mesmas condições. Elas sinalizam até onde eu posso ir. Elas podem ser favoráveis ou desfavoráveis e, por isso, do mesmo modo que posso chamá-las de minha riqueza, posso também considerá-las como razão da minha pobreza. O poder dos meus olhos tem limites definidos. Eu posso, com eles, ver bastante aquilo que me cerca, mas por causa deles também não sou capaz de olhar para realidades que me escapam.

Posso querer ver, com clareza, o que uma pessoa faz, mas não conseguirei ir além de suas aparências se eu não for capaz de expandir o meu campo de visão , ultrapassando o que os meus olhos registram. Manter os olhos bem abertos significa, portanto, ver além do que me apresenta o cenário. Desconfiar das embalagens, manter disposição para aceitar que ficará sempre uma perpectiva que eu não vou capturar imediatamente. Abrir os olhos é o mesmo que correr o risco de ser surpreendido por um detalhe, por uma nuance, por uma cor, coisas que não foram detectadas num primeiro momento. Essa constatção meleva a concluir, com relativa segurança, que a percepção que tenho de determinado problema na minha vida ou na caminhada existencial de outras pessoas é marcada pelo jeito que eu olho. Se eu mudar o meu olhar, mudo minha compreensão para melhor. Se sou capaz de abrir mais meus olhos, decido, deste modo, tornar mais larga e mais profunda a interpretação que faço da vida.