NOVIDADES

SIGNAL: UM APLICATIVO DE MENSAGENS COM ATENÇÃO À PRIVACIDADE

A revista “Internazionale” publica em sua versão de papel e para assinantes na internet um artigo extenso sobre um aplicativo que preza pela privacidade que está se tornando munti popular. O texto que reproduzo é apenas uma introdução apresentada na parte pública do portal.

TECNOLOGIA
Laboratório
Giovanni De Mauro, diretor da Internazionale
18 de fevereiro de 2021

Juntas, Microsoft, Apple, Alphabet, Amazon e Facebook tinham uma capitalização de mercado de US $ 7,5 trilhões no final de 2020. Se fossem um país, seu produto interno bruto seria o dobro do da Alemanha, quase quatro vezes o da Itália, e seria apenas inferior ao PIB dos Estados Unidos e da China. Com o valor dessas empresas, seu papel na vida de bilhões de pessoas também cresceu. Mas nem sempre foi assim, porque sua história é relativamente recente.

O Google abriu o capital em 2005. Em 1997, a Apple estava à beira da falência. O primeiro ano em que a Amazon teve lucros foi 2001. O Facebook nasceu em 2004. As tecnologias que usamos hoje são o resultado de um caminho acidentado e parcialmente aleatório que nasceu do encontro, nos anos 60, de três muito diferentes entre si: militares , professores universitários e hippies.

No ensaio The Dark Valley, publicado na Itália por Adelphi, Anna Wiener relatou a evolução recente do Vale do Silício e o início do fim do que muitos consideram um sonho. Moxie Marlinspike é a fundadora do Signal, um aplicativo de mensagens que se tornou popular por sua atenção à privacidade. “Todos nós deveríamos ter algo a esconder“, diz Marlinspike, ecoando as palavras de Edward Snowden: “Argumentar que você não está interessado na privacidade porque não tem nada a esconder é como dizer que você não está interessado na liberdade de expressão porque tem não tem nada a dizer “.

Mas a privacidade não é a única razão pela qual a Signal merece atenção. A outra é que é uma empresa sem fins lucrativos, que não pode ser comprada por outras empresas, não vai à bolsa e deve reinvestir os lucros. Uma revolução para o Vale do Silício. E se é verdade que a Califórnia tem sido freqüentemente o laboratório da mudança americana, é de se esperar que o sucesso da Signal seja o início de uma nova transformação.

(texto adaptado)

Texto original

https://www.internazionale.it/opinione/giovanni-de-mauro/2021/02/18/laboratorio-signal-privacy