LI, VI, OUVI, ESCREVI

COLOQUE-SE NO LUGAR DE UMA FAMÍLIA QUE TEM UMA CRIANÇA COM EPILEPSIA

Descobri uma revista eletrônica italiana que todo o conteúdo é orientado para passar boas notícias, belas mensagens e também registra fatos que trazem esperança de maior solidariedade entre as pessoas e cuidados com o planeta. Nas últimas postagens, encontrei uma longa matéria valorizando as iniciativas de andar de bicicleta, uma outra que mostrando que você pode pegar o seu bilhete do Metrô de graça em Pequim levando garrafas pet para a reciclagem e uma reportagem sobre um atraso de avião que acabou resultando na amizade de muitas pessoas que se ajudaram no aeroporto. O nome da revista é “Buone notizie”, Boas notícias! Escolhi para postar neste sábado, 14 de setembro, uma história bonita sobre uma situação bem comovente. Tome um tempinho e leia:

A família de Riley Inglaterra, uma criança de 8 anos que vive em China Grove  (Carolina do Norte, nos Estados Unidos), estava jantando em um restaurante da cidade, quando a garçonete se aproximou de Ashey, a mãe de Riley, e, chorando, anunciou que um estranho já tinha pago a conta para toda a família e que essa pessoa lhe pediu para entregar um bilhete.

Surpresa com lágrimas da garçonete, Ashley abriu o bilhete e leu a seguinte mensagem: “Deus dá crianças especiais somente para pessoas especiais”.  O pequeno Riley – a bela criança que sorri na foto – tem epilepsia, não pode expressar-se por meio de palavras e passou por três cirurgias cerebrais delicadas, e durante o janta , que estava se tornando bastante impaciente e agitado.

“As últimas semanas”, disse Ashley à imprensa, “eram bastante difíceis e desgastante para nós, especialmente fora de casa. Riley começa a gritar e a bater os punhos na mesa e eu sei que as pessoas realmente se incomodam. Mas se essas pessoas não tomam o nosso lugar, acho não têm o direito de julgar. Porque assumimos até mesmo um simples “eu te amo” ao nosso filho.

Logo depois desse primeiro momento no restaurante, voltou a garçonete que se aproximou da mesa dizendo: “Eu vou tentar dizer-lhe mais uma coisa sem chorar, mas um outro cliente já pagou para jantar neste restaurante e eu quero mostrar a ele esse bilhete que vocês receberam”. Aí, desta vez, foi Ashley que começou a chorar, não tanto por causa da bondade da garçonete, mas especialmente por causa das inesperadas palavras de encorajamento. E ela desabafou: “Vendo que alguém está fazendo isso por nós, nos mostra que há quem compreenda o que sentimos e como é difícil para nós, às vezes, estar perto de pessoas. Ela me fez chorar, foi uma verdadeira bênção,  mais do que você pode imaginar. Isso me fez esquecer todos os comentários negativos e ruins que eu já ouvi por causa da presença do meu filho em algum lugar publico. Acaba tudo, completamente . Há ainda pessoas que têm um coração!”.

Ashley finalmente agradeceu publicamente a pessoa que pagou o jantar, mas agradeceu especialmente por causa das bela atitude de encorajamento que recebeu por meio do gesto da garçonete: “Eles não poderiam saber quais as dificuldades que temos enfrentado ultimamente, mas ainda assim nos deram atenção e nos respeitaram e era realmente o que precisávamos. Obrigado! “.

Foto da revista

http://www.buonenotizie.it

Rafael Vieira, 13.9.2013