LI, VI, OUVI, ESCREVI

ESTIVE LÁ: VIGÍLIA PELA PAZ NA SÍRIA NA PRAÇA DE SÃO PEDRO

“Rezamos juntos. Continuemos a rezar pela paz! Agradeço a companhia de todos. Boa noite e bom repouso!”, despediu-se, com simplicidade, o Papa Francisco. Eram exatamente 23hs, e ele apenas encerrara a bênção do Santíssimo Sacramento, último ato da Vigília pela Paz, na Praça de São Pedro. E com esse gesto se encerrou uma das mais incisivas iniciativas desse pontificado marcado pela resposta simples e direta que o Papa tem procurado dar a cada um dos desafios dos dias atuais.

O apoio dos católicos e não-católicos tem sido significativo. Na Praça estavam reunidas mais de 100 mil pessoas. Haviam muçulmanos ao lado do altar. O Centro Televisivo do Vaticano forneceu imagens da cobertura para centenas de canais no mundo inteiro. Estima-se que milhões de pessoas acompanharam a oração do terço, a adoração do Santíssimo e a recitação da última parte do dia da Liturgia das Horas.

Leia a síntese feita pela Rádio Vaticano da mensagem dirigida pelo Santo Padre durante o ato:

Dividida em três pontos e partindo da narração bíblica da origem do mundo e da humanidade, contida no livro do Gênesis, o Papa Francisco insistiu sobre a mensagem da bondade da Criação de Deus.

“Toda a criação constitui um conjunto harmonioso, bom, mas os seres humanos em particular, criados à imagem e semelhança de Deus, formam uma única família, em que as relações estão marcadas por uma fraternidade real e não simplesmente de palavra: o outro e a outra são o irmão e a irmã que devemos amar, e a relação com Deus, que é amor, fidelidade, bondade, se reflete em todas as relações humanas e dá harmonia para toda a criação. O mundo de Deus é um mundo onde cada um se sente responsável pelo outro, pelo bem do outro.”

A criação conserva a sua beleza que nos enche de admiração; ela continua a ser uma obra boa. Mas há também “violência, divisão, confronto, guerra”, continuou. “Isto acontece quando o homem, vértice da criação, perde de vista o horizonte da bondade e da beleza, e se fecha no seu próprio egoísmo.”

Dito isso, o Papa afirmou que “quando o homem pensa só em si mesmo, nos seus próprios interesses e se coloca no centro, quando se deixa fascinar pelos ídolos do domínio e do poder, quando se coloca no lugar de Deus, então deteriora todas as relações, arruína tudo; e abre a porta à violência, à indiferença, ao conflito”.

Quando isso acontece, “quebra a harmonia com a criação”, chega a levantar a mão contra o irmão para matá-lo.

Podemos dizer que da harmonia se passa à desarmonia? Não – respondeu o Papa. Não existe a “desarmonia”: ou existe harmonia ou se cai no caos, onde há violência, desavença, confronto, medo…

E fazendo um forte chamado à consciência de cada um, o Pontífice disse:

“È justamente nesse caos que Deus pergunta à consciência do homem: «Onde está o teu irmão Abel?». E Caim responde «Não sei. Acaso sou o guarda do meu irmão?» (Gn 4, 9).

Esta pergunta – continuou – também se dirige a nós, assim que também a nós fará bem perguntar:

“Acaso sou o guarda do meu irmão? Sim, tu és o guarda do teu irmão! Ser pessoa significa sermos guardas uns dos outros! Contudo, quando se quebra a harmonia, se produz uma metamorfose: o irmão que devíamos guardar e amar se transforma em adversário a combater, a suprimir.”

“Quanta violência surge a partir deste momento, quantos conflitos, quantas guerras marcaram a nossa história! Basta ver o sofrimento de tantos irmãos e irmãs. Não se trata de algo conjuntural, mas a verdade é esta: em toda violência e em toda guerra fazemos Caim renascer. Todos nós!”

Com ênfase, Francisco ressaltou que “ainda hoje prolongamos esta história de confronto entre irmãos, ainda hoje levantamos a mão contra quem é nosso irmão. Ainda hoje nos deixamos guiar pelos ídolos, pelo egoísmo, pelos nossos interesses; e esta atitude se faz mais aguda: aperfeiçoamos nossas armas, nossa consciência adormeceu, tornamos mais sutis as nossas razões para nos justificar. Como fosse uma coisa normal, continuamos a semear destruição, dor, morte! A violência e a guerra trazem somente morte, falam de morte! A violência e a guerra têm a linguagem da morte!”

A esse ponto, o Papa perguntou-se se é possível percorrer outro caminho, se podemos sair desta espiral de dor e de morte. “Podemos aprender de novo a caminhar e percorrer o caminho da paz?”

“Invocando a ajuda de Deus, sob o olhar materno da Salus Populi romani, Rainha da paz, quero responder: Sim, é possível para todos!” – ponderou.

Na cruz podemos ver a resposta de Deus – frisou: “ali à violência não se respondeu com violência, à morte não se respondeu com a linguagem da morte. No silêncio da Cruz se cala o fragor das armas e fala a linguagem da reconciliação, do perdão, do diálogo, da paz.”

O Santo Padre disse querer pedir ao Senhor, nesta noite, que nós cristãos, os irmãos de outras religiões, todos os homens e mulheres de boa vontade gritassem com força: “a violência e a guerra nunca são o caminho da paz! Que cada um olhe dentro da própria consciência e escute a palavra que diz: sai dos teus interesses que atrofiam o teu coração, supera a indiferença para com o outro que torna o teu coração insensível, vence as tuas razões de morte e abre-te ao diálogo, à reconciliação: olha a dor do teu irmão e não acrescentes mais dor, segura a tua mão, reconstrói a harmonia perdida; e isso não com o confronto, mas com o encontro! Que acabe o barulho das armas! A guerra sempre significa o fracasso da paz, é sempre uma derrota para a humanidade”.

Francisco recordou que perdão, diálogo, reconciliação são as palavras da paz: na amada nação síria, no Oriente Médio, em todo o mundo!

E concluiu com uma veemente exortação: “Rezemos pela reconciliação e pela paz, e nos tornemos todos, em todos os ambientes, em homens e mulheres de reconciliação e de paz.”

(A foto da deslumbrante Basílica sob a luz da tarde é minha)

Rafael Vieira, 7.9.2013