ÚLTIMO PROGRAMA

DOM WALMOR OLIVEIRA DE AZEVEDO E ALEXANDRE GARCIA

Com Dom Walmor, falamos sobre SOLIDARIEDADE. Na conversa com Alexandre Garcia, tratamos do RESPEITO.

Estreia

Começamos nossa jornada na TV, propriamente, no começo da noite do domingo 17 de maio de 2020. Momento muito esperado. O primeiro programa “PARLATÓRIO – Brasília” foi ao ar “redondinho” como se costuma dizer quando uma coisa dá certo. Fiquei muito feliz não só por mim, mas pelas pessoas que acreditaram e trabalham nesse projeto. Tivemos dois convidados de peso: dom Walmor de Oliveira Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e o Jornalista Alexandre Garcia. Todos os dois foram extremamente generosos comigo tanto na forma gentil de aceitar o convite para participar do programa como no jeito solto e bonito de responder às perguntas que eu fiz. Compartilho com vocês algumas pérolas depositadas no baú do tesouro do nosso programa que já começa muito precioso. Peço, vivamente, que divulguem essas afirmações tão importantes para a reflexão de todos e, ao compartilhar, dêem crédito ao nosso programa, por favor.

DOM WALMOR OLIVEIRA DE AZEVEDO

Dignidade humana

“A dignidade humana no Brasil sempre foi maltratada. Lamentamos dizer assim e não digo com pessimismo, mas para que se torne, para nós, uma verdadeira advertência. Lamentamos muito os desentendimentos, os descompassos e as incompetências, sobretudo por parte daqueles que têm liderança maior e que precisam ter uma palavra iluminadora e gestos exemplares”.

Solidariedade e cidadania

“Solidariedade tem que ser o selo da nossa autenticidade cristã. Se alguém disser que tem fé e que é cristã, mas não é solidário, não é, de verdade, cristã. O selo da solidariedade também tem que ser o selo da nossa cidadania se não, nós não daremos conta de uma sociedade mais justa, fraterna e solidária”.

SUS – Sistema Único de Saúde

“O Sistema Único de Saúde, no Brasil, é bem pensado, o que falta é investimento. Se ele funcionar como é pensado, de modo exemplar, tendo as condições, ele atende a todos: ricos e pobres, os que precisam mais e os que precisam menos. Se o Sistema Único de Saúde, na sua concepção, funcionar e receber os investimentos necessários, nós não precisaríamos de tantos planos de saúde privados e isso é, de verdade, um grande comércio, bem o sabemos”.

Pós-Pandemia

“A pandemia do coronavírus está nos fazendo todos dizer em coro: ‘depois de passado esse ciclo terrível, essa travessia dolorosa que nós estamos percorrendo, o mundo não será o mesmo’. E não será. Por isso, eu ouso dizer assim: estamos passando uma página da história e precisamos todos estar na nova página da história, quem ficar na página antiga, mofará”.

ALEXANDRE GARCIA

Ausência de respeito

“Nós, basicamente, não respeitamos os outros, não respeitamos as leis, não respeitamos a natureza, não respeitamos o espaço alheio. E eu acho que o respeito é uma virtude que é descendente do amor, digamos. Nós respeitamos os outros porque amamos o próximo, nós respeitamos a natureza porque amamos o entorno em que vivemos e nós devemos respeitar as leis, se para isso fomos educados, para que todos vivamos em organização respeitando os direitos alheios”.

Berço

“Eu acho que quem não aprendeu o respeito dentro da família, o respeito fica mais na superfície e não impregnado no nosso eu, no nosso inconsciente, digamos assim, lá no fundo da nossa alma. Isso a gente ganha no berço, em casa”.

Respeito no trânsito

“Eu costumo dizer que a pessoa que senta atrás do volante de um carro é um pai de família exemplar, cuidou dos filhos, tratou muito bem a mulher, levantou e tomou o café da manhã com a família, fez recomendação para os filhos saindo para escola. E o carro está lá na garagem, um ser inanimado, não é um ser mal. Mas ele entra atrás do volante e transforma tudo, ele e o carro. Ele vira um lobisomem. Começam a crescer as unhas, os dentes, crescer pelos e aí ele sai por ali querendo derrubar todo mundo, passar na frente dos outros. Aí eu digo: até um chimpanzé domesticado, amestrado é capaz de apertar um acelerador e dirigir um carro, ele não está fazendo nenhuma vantagem. Mas é isso, é o homem de quatro rodas, quando ele assume que ele tem quatro rodas ele parece que também vira um ser de quatro patas, sai dando coices por aí”.

Respeito a criação

“Respeitar tudo o que faz parte da criação. Uma árvore, uma estrela, o céu azul, a nuvem de todas as formas. A gente vive bem quando vive integrado. E sobre pequenos e grandes, Brasília me ensinou uma coisa. Cheguei aqui há quarenta e quatro anos, sem conhecer a cidade. Me ensinou que nessa grandeza de espaços, como nós somos pequenos. E no momento em que a gente reconhece a nossa pequenez, a gente se integra nisso tudo. Sem orgulho, sem arrogância, que é um vício, um pecado que eu condeno muito em meus colegas jornalistas que se acham superiores aos outros, porque a sabedoria amostra que a maior de todas as virtudes é a humildade”.

Você pode ver o programa na íntegra: