NOVIDADE

SÍRIA: 10 ANOS DE UMA GUERRA CIVIL MANTIDA VIVA POR ESTRANGEIROS

Um conflito que não se pode esquecer! Estamos tão envolvidos pela nossa dor que corremos o risco de continuar ignorando uma guerra que acaba com a Síria e não é da Síria. Texto do “Avvenire”.

Caritas. “Uma guerra brutal na Síria, mantida viva por interesses estrangeiros
Luca Geronico Domingo, 21 de março de 2021

Os dez anos desde o início da guerra civil e o relatório «Síria, a esperança de retorno». O conflito devastador e não seria possível sem a influência das autoridades regionais e internacionais

O relatório “Síria, a esperança de retorno” é dedicado a “Hurriyya”, liberdade, “kurama”, dignidade, “muwatana”, cidadania, foram as palavras de ordem da Primavera Árabe na Síria no décimo aniversário da Caritas italiana “( disponível nesta seção de dossiê do site www.caritasitaliana.it). Uma emergência sobre a qual mais o Papa Francisco volta para protegê-la: em dezembro de 2020, em uma reunião do Departamento de Desenvolvimento Integral, o Papa tem uma história de fazer “todos os esforços” para favorecer o centro de 13 milhões de refugiados e deslocados internos, em “segurança” e garantindo as “condições econômicas necessárias”.

Caminhando ao ritmo da Síria, diz a Caritas Italiana, parece “longe de ser claro” entre a primavera síria é uma “revolução tradicional e fracassada” que saiu com a história da guerra civil. Nisso, de fato, Cali, se estou testemunhando uma “revolução da população transformada em um conflito de ingerência internacional, exacerbado pela violência islâmica, até hoje tudo menos lutou”. A Caritas Italiana enumera as fases da guerra: a revolta inicial (março de 2011), repressão ao regime; a militarização (2012) do protesto com milícias, muitos jihadistas, apoiados pela Turquia e Qatar em apoio à Irmandade Muçulmana; a instalação do califado islâmico nas terras sunitas entre o Iraque e a Síria; o exército de Damasco recua até que a Rússia intervenha liderando a contra-ofensiva da qual apenas Idlib, a última província rebelde, está fechada.

“A ferocidade da guerra na Síria é o único atributo da brutalidade do regime e da oposição, do sectarismo e de toda a jihad”, diz o dossiê da Caritas, mas o conflito na Síria sem ter conseguido persistir por tanto tempo estrangeiros. Powers pretende levar a cabo os seus planos na pele de um povo dilacerado pela guerra ».

Texto original

https://www.avvenire.it/mondo/pagine/una-guerra-brutale-fra-regime-e-ribelli-ma-tenuta-ancora-viva-da-interess