NOVIDADES

TRAGÉDIA E CRIANÇA: UMA GERAÇÃO INTEIRA TEM SEU FUTURO ROUBADO

Li uma nota divulgada pela agência SIR e compartilho com você porque me corta o coração. Eu sei que temos crianças emsituação de miséria e abandonadas aqui no Brasil, mas não é fácil ver a situação de crianças que nascem em campos de refugiados na Ásia e em Bangladesh. É de partir o coração.

“Estima-se que 108.037 crianças, principalmente em Rohingya, em Bangladesh e Mianmar nasceram confinadas em campos de refugiados nos últimos anos. Aqui, enfrentam condições inadequadas para as crianças, com acesso limitado à educação e cuidados de saúde, sem liberdade de movimento e dependem quase inteiramente da ajuda humanitária ”. Este é o alarme lançado por Save the Children, uma organização humanitária que analisou dados sobre a população de campos de refugiados em Bangladesh (desde agosto de 2017) e campos de refugiados no estado de Rakhine em Mianmar (desde 2012). “Atualmente – explica uma nota -, cerca de 75.971 crianças menores de três anos vivem nos campos de Cox’s Bazar, ou 9% da população total de refugiados. Quase todos eles nasceram depois que suas mães fugiram para Bangladesh ”.

Desde 2012, em Mianmar, devido às ondas anteriores de violência étnica, os campos de deslocados no centro de Rakhine foram o lar de muçulmanos Rohingya e Kaman. De acordo com os dados coletados até dezembro de 2019, a Save the Children estima que existam 32.066 crianças menores de sete anos espalhadas por 21 campos, representando mais de 25% da população deslocada.

Nos últimos três anos, mais de 75.000 bebês nasceram nos campos de refugiados de Cox’s Bazar”, disse Onno van Manen, diretor da Save the Children em Bangladesh. “O nascimento de uma criança é uma ocasião alegre, mas essas crianças têm sido muito infelizes, nascidas em um lugar onde suas famílias não podem trabalhar, onde têm acesso limitado à educação e cuidados de saúde e nenhuma liberdade de movimento” , denuncia, acrescentando que “o povo e o governo de Bangladesh acolhem os refugiados quando eles fogem da violência em seu país de origem, mas após três anos ainda não estamos perto de uma solução para esta crise humanitária”.

Mais de 30.000 crianças nos campos de Rakhine não conheceram outra vida senão a dos campos, nenhuma oportunidade de explorar o mundo exterior ou visitar suas cidades ou vilas“, disse Mark Pierce, diretor da Save the Children em Mianmar. Sri Lanka e Tailândia. “Devemos evitar as consequências prejudiciais de toda uma geração de crianças crescendo na segregação forçada, que só divide ainda mais as comunidades”, continuou Pierce, para quem “é imperativo implementar soluções duradouras logo que estabelecidas pelo Comitê Consultivo de Rakhine para garantir a liberdade de movimento, cidadania e outros direitos fundamentais para as crianças Rohingya e suas famílias ”.

foto da Agência

Texto Original:

Rohingya: Save the Children, più di 100.000 bambini nati nei campi profughi in Bangladesh e Myanmar. “Un’intera generazione a cui viene rubato il futuro”