LI, VI, OUVI, ESCREVI

VIGÍLIA PELA PAZ: “O MAIOR ATO PROFÉTICO QUE O PAPA FRANCISCO REALIZA ATÉ AGORA”

” A Revista Famiglia cristiana”, revista dos Paulinos, está atualizando, com reflexões e opiniões, o significado da Vigília que o Papa Francisco vai presidir no sábado, 7 de setembro, na Praça São Pedro. No final da tarde desta quinta-feira, a revista trouxe a opinião de Enzo Bianchi, Prior da Comunidade Monástica de Bose:

Qual é o significado eo poder do apelo do Papa à oração?

A oração para nós cristãos é uma força política na história. É o nosso grito a Deus para intervir nas ações dos homens. Mas, ao mesmo tempo, é também uma tomada de responsabilidade por parte dos homens. Na verdade, nós definimos assim a oração de intercessão: quando oramos, intercedemos, ou damos um passo em frente, realizamos um gesto concreto para combater a guerra, o sofrimento, a divisão e o ódio.


E o apelo ao jejum?

A prática do jejum é a consciência de que o nosso corpo não precisa só de comida. É um meio para imprimir em nossa carne, de modo claro, que o homem não vive só de pão, mas também de paz, amor, fraternidade, bem comum. O pão e o bem-estar não são suficientes. Pelo jejum nós nos disciplinamos e nos fortalecemos através do domínio da fome. Vivido como um gesto coletivo, torna-se um ato de responsabilidade de toda a comunidade. O jejum, como a oração, está presente em todas as religiões do Islã ao judaísmo. O chamado do Pontífice adquire um valor universal: Papa Francisco pediu um dia de oração e jejum, a todas as pessoas de todos os credos, até mesmo os não-crentes. Ele tem prestado um serviço a toda a humanidade. E mesmo os não-crentes têm respondido ao seu convite.
Rafael Vieira, 6.9.2013